ARTIGO: CONCENTRAÇÃO DA CONTAINER SHIPPING INDUSTRY NO BRASIL

June 12, 2019

 

A evolução da conteinerização no mundo e suas fases e impactos na logística internacional provocaram alterações substanciais na navegação aquaviária, operação portuária com carga e descargas e sias movimentações em terra.

A tendência de crescimento dos navios porta contêineres, portos e terminais portuários, também provocou uma reacomodação das empresas envolvidas na indústria da navegação marítima especializada no segmento de contêineres – container shipping industry -, com várias funções, aquisições e operações em joint services,

 

O mercado de shipping container industry se tornou mais concentrado nos últimos cinco anos, com fusões entre ao armadores Chineses COSCO, China Shipping e OOCL (China COSCO), dos armadores japoneses NYK, K-line e MOL, na formação da gigante ONE, e a gigante Maersk Line que ficou ainda maior com a aquisição da alemã Hamburg Süd, depois de inúmeras aquisições realizadas a partir de 1994 (Sealand, Safmarine, PO Nedloyd) Hapag Lloyd e UASC, CGM E APL.

 

No Brasil, em razão das fusões e aquisições observadas no mercado internacional, verificou-se a redução no número de companhias da Container Shipping Industry com movimentações nos terminais portuários brasileiros, relacionadas a operação de longos cursos. Em 2014, aproximadamente 20 armadores participavam desse mercado no Brasil, com redução para 10 em 2019.

 

Nesse sentido, ressalta-se uma concentração de aproximadamente 80% da movimentação de contêineres realizada no Brasil por apenas quatro empresas, com domínio dos armadores europeus especializados em cargas conteinerizada reefer e dry (Maersk, MSC, HAPAG e CMA CGM).

 

Outro fator a ser ressaltado é o domínio da Maersk Line com mais de 35% das movimentações de contêiner no Brasil, oriunda, principalmente, da aquisição da companhia alemã Hamburg Süd, em 2018, até então, a principal movimentadora de contêineres no Brasil,

 

Essa concentração é ainda maior em determinadas linhas, tais como entre portos no pacifico norte e do extremo oriente para Europa, em razão das estruturas de joint servisse realizadas entre as empresas da container Shipping industry, em âmbito mundial, com o 2M Alliance composto pela Maersk e MSC, o joint Ocean Alliance (CMA CGM, Cosco e Evergreen), e, o joint The Alliance (HAPAG Lloyd, ONE e Yang Ming).

No Brasil, tal estratégia é observada após o período de grandes fusões e aquisições, com alguns joints formados de forma diferente das estruturas utilizadas nas primeiras linhas do pacifico e extremo oriente para costa leste da América do Sul, como por exemplo a composição do novo joint denominado ÁSIA 1, composto por Maersk, ONE, HAPAG e ZIM, com navios operados pelo Grupo Maersk (Maersk e Hamburg Süd), com operações no brasil no terminal portuário BTP em Santos, TCP Paranaguá, TUP Itapoá e APM Terminal Itajaí.

 

As alterações demonstradas na concentração da container shipping industry no Brasil demonstram a necessidade de analises mais detalhadas desse fenômeno pela Antaq, para evitar abusos junto aos usuários desse importante segmento.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

October 2, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square

© 2018 por Guero & Coelho Advogados Associados

SIGA-NOS:

  • w-facebook